Adagri fecha cerco contra Anemia Infecciosa Equina

Quixadá. Técnicos da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri) estão fechando o cerco no controle de sanidade animal em Quixadá. A cidade é conhecida pela tradicional comercialização de animais na região Centro do Estado. Mais de 40 cavalos e éguas já foram sacrificados desde o início do ano neste município. Apresentavam Anemia Infecciosa Equina (AIE). Além de contagiosa, a doença não tem tratamento. Aúnica alternativa para o controle é a eliminação das espécies contaminadas.

De acordo com a gerente da unidade da Adagri em Quixadá, médica veterinária Ana Gláucia Gonçalves, os animais sacrificados são anestesiados e em seguida recebem injeção letal de cloreto de potássio. “O processo não causa sofrimento, é indolor e humanitário”, garante. Em seguida, é necessário enterrar ou incinerar o bicho. Mesmo morto, qualquer contato de animais da mesma espécie pode transmitir a enfermidade incurável, conhecida como “aids dos cavalos”. A infecção é detectada por meio de exame de sangue.

Para não arcarem com o prejuízo, muitos criadores, principalmente proprietários de cavalos e éguas, estão tentando passar o problema para a frente. Estão vendendo os animais antes da chegada dos técnicos da Adagri. A denúncia é feita pela veterinária. Por isso, ela orienta os interessados em adquirir equídeos a exigirem o resultado dos exames. A emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA), necessária para o transporte de um lugar para outro, é feita com a apresentação do resultado.

O agricultor e criador Juarez da Cunha Maia sentiu esse problema na pele. Ele mesmo chamou a equipe da Adagri quando recebeu o resultado do último exame. Em seu rebanho, quatro equídeos foram sacrificados devido à contaminação. Não foram poupados animais com valor comercial superior a R$ 7 mil. Não bastasse as perdas na roça, o pecuarista, que reside na comunidade de Buenos Aires, na zona rural de Quixadá, acumula prejuízo superior a R$ 20 mil. Embora pudesse vender os animais, mais barato, preferiu atender as orientações oficiais.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *